UA-40840920-1

domingo, 23 de março de 2014

Em Paris, provem um bom macaron (ou dois!)

Pierre Hermé ou Ladurée, Pierre Hermé ou Ladurée ? Fossem todos os dilemas da vida resolvidos com a facilidade e o prazer da solução para uma das questões principais que coloco às pessoas que aqui me vêm visitar. Não que a escolha tenha que passar, obrigatoriamente, pela preferência de um em detrimento do outro mas, se quiserem provar os reis daquelas que são umas iguarias francesas mais apreciadas, conceituadas e coloridas, os macarons, não deixem de visitar os mestres na arte. França comemora o Dia do Macaron a 20 de Março, e nós fomos provar mais uns sabores, não fosse o nosso julgamento, até agora, não ser o mais correcto.

Por todas as boulangeries e muitas chocolaterias em Paris, encontramos vitrines, maiores ou menores, cheias de doces coloridos e com ar elegante, que primam não só pela concepção mas muitos, principalmente, pela apresentação. Antes de provarmos algum, já os nossos olhos estão conquistados no requinte das formas, das frutas lustradas e dos pequenos acabamentos de chocolate. Eu gosto, particularmente das cores, dos verdadeiros arco-íris, em combinações de sabores improváveis, que me desafiam os sentidos. E, aí, entram os macarons.

O primeiro que comi, há tantos anos que já nem me lembro quando, foi numa daquelas padarias de estação de metro e RER. Uma coisa tipo bolachinha, de framboesa, pareceu-me uma aposta segura. Contudo, a falta de algo que o tornasse especial, associado a um recheio de fraca qualidade e a um merengue com gosto a corante demasiado artificial, levou-me a acreditar que, de facto, ali estava um doce que não me diria nada. Provei ainda um em Portugal, numa pastelaria conceituada, e também não me aliciaram. A adoração ao macarons iria, para mim, permanecer um mistério, daqueles que mais ninguém pode resolver por nós.

Um dia, no ano passado, andava eu à procura de um vestido para o casamento civil nas Galeries Lafayette (tendo encontrado um da Karen Millen, marca que está no meu coração ao lado da Ted Baker, lindo), quando passei pelo quiosque, num dos andares (não me perguntei qual), da Pierre Hermé. O ar cuidado, as combinações de cores e texturas em cada macaron, atraíram-me. Não eram nada como os outros que já tinha visto, coloridos, mas de um só tom, lisos. Aqueles tinham um verdadeiro je ne sais quoi, que convidavam à prova. Apesar de custarem o dobro dos macarons pelos quais passava normalmente, pensei que, se fossem tão bons quanto o seu aspecto, haviam de valer muito mais do que qualquer outro, pelo que um chegaria perfeitamente para saciar a minha gulodice.



Tal e qual. Assim que dei a primeira trinca, senti a delicadeza de um merengue bem batido, leve, crocante e ao mesmo tempo saboroso; a mestria de um recheio pensado para agradar, para despertar outros sentidos, dando-lhe um toque de qualidade artesanal; a combinação de sabores, minhas senhoras e meus senhores, as combinações de sabores... inigualáveis. Foi amor. Eu, que nunca tinha apreciado por aí além os macarons, estava convertida aos do Pierre Hermé.

Cada docinho do Pierre Hermé, como outras iguarias dele, são criadas para despertar várias sensações em quem os prova. Desde os pequenos pormenores desde chocolate negro, do melhor, polvilhado, a pequenos pedaços crocantes de açúcar ou sal, consoante o sabor, passando por degradés de cores e misturas de tons, aos recheios que têm tanto de sabor quando de textura própria do ingrediente ao qual foram buscar a essência (o de figos e foie gras tem a densidade do segundo e sementes, esmigalhadas, crocantes, do primeiro; o de cream cheese a cremosidade do queijo; o de chocolate tem gotas de uma intensidade insuperável e o de limão tem a acidez cítrica natural que se encontra raramente num doce), tudo foi pensado para ter tanto de original quanto de excelente. Ficaram tentados?

Por outro lado, não podendo passar impávida e serena ao culto da Ladurée (como se fosse necessária razão para provar algo diferente e doce), fui, passados poucos meses, até àquele que é, para mim, o espaço mais parisiense de Paris, desejosa de provar os macarons deles (e confesso, compará-los com os do meu primeiro amor). Nos Champs Elysées, avenida tão procurada de Paris, a fachada da Ladurée é qualquer coisa de sumptuoso. A lembrar o frenesim da cidade das luzes no final do século XIX, os motivos verdes e dourados transportam-nos para a era de um Paris de filme de época, sumptuoso, glamouroso, em todo o seu esplendor. Dentro, em dois espaços distintos, podemos visitar o salão de chá ou ir directamente à vitrine dos doces, comprar umas delícias para levar para casa. É o que fazemos, embora os saquinhos transparentes cheguem sempre a casa vazios.


Os macarons da Ladurée, embora menos divertidos em termos de cores, dado que, normalmente, cada um só tem um tom e uma aparência monótona, são, em termos de sabor, muito bons. A qualidade com a qual são confeccionados e a exigência na escolha dos ingredientes são inegáveis e merecedoras da adoração que lhes têm. Quando se vai à Ladurée, não se trazem apenas uns docinhos coloridos numas caixas bonitas (uma delas assinada pela Nina Ricci), mas também um Paris dos sonhos, um glamour tão francês. E essa é uma experiência que vale muito.  

Entretanto, já provei outros macarons de outras confeitarias, tendo conhecido, inclusivamente, a fábrica que distribui os doces para a maioria das padarias comuns. As que não são especializadas, as que não têm confecção própria. Também são bons, admito, para quem quiser levar uma caixinha, não muito cara, para oferecer em casa. Os 18 ou 20 euros por sete ou oito macarons nas duas grandes lojas que vos falei não são assim tão acessíveis à maior parte dos comuns dos mortais, como eu. Valem o que custam, atenção, e valem mais do que os outros, mais normais, mas são, reconheço, muito caros.

Contudo, o que proponho, se me permitem, é que façam o teste. Um dia, quando estiverem a passear pelos Champs Elyssées, provem um de cada, pelo menos. A Ladurée está a meio da avenida, é fácil de ver, e a Pierre Hermé tem um balcão na Drugstore mesmo no topo, ao chegar ao Arco do Triunfo. Quando estiverem no Marais podem visitar, igualmente, o espaço PH, acrescentando essa visita a outras, das quais vos falei noutro post

Acharão, talvez, os cerca de dois euros por cada um demasiado caros por uma coisa tão pequenina, mas, se forem como eu, acreditam que há experiências que são únicas, que não se repetem. E há que aproveitar. Mais vale provarem dois macarons muito bons, e escolherem o vosso favorito, se tiverem um, do que uma caixa daqueles que não brilham.

   

9 comentários:

  1. Pelo sim, pelo não, compre-se mas é o de tamanho xl, para se conseguir aferir o que quer que seja: são quase 5€ mas valem cada cêntimo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu confesso que prefiro comer vários sabores diferentes dos menores do que um grande. No outro dia experimentei sabores completamente diferentes. Nem imaginas, que delícia!! :D

      Eliminar
  2. Subcrevo completamente os elogios tecidos aos tão famosos e inigualáveis macarrons de Pierre Hermé e de Ladurée. Confesso que mais vale descer os Champs Elysées degustando um desses macarrons de elite do que se ter à sua mesa uma caixa de diversos macarrons coloridos a bom preço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade! É uma experiência sensorial única. :D

      Eliminar
  3. E diz que ainda há melhores que estes! Não me lembro do nome da patisserie, mas vou indagar ;) Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Melhores, onde onde? Já provei outros mas não foram dignos de destaque. Embora um, no Marais, fosse muito bom (já não me lembro do nome da patisserie), não estava ao nível do meu adorado PH. :D

      Eliminar
    2. Não terá sido na famosa "Patisserie Angelina", na rua de Rivoli?

      Eliminar
  4. Adoro ambas as marcas! Sou doida por macarons :D Estava agora a lembrar-me que uma das primeiras paletas de sombras que comprei foi da colaboração entre o Pierre Hermé e a Givenchy em 2006, que era inspirada numa caixinha de chocolates:

    http://www.sybarites.com/2006/11/pierre-herme-creates-chocolate-collection-for-givenchy/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh meu Deus, tu e as colecções que eu fico cheia de pena de não ter comprado. ahahahah

      Que coisa deliciosa!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...